segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

IMAGENS SAGRADAS PODEM SERVIR COMO LIVRO PARA IGNORANTES?



por Vivius Silva Pimentel

As discussões dos últimos dias sobre a suposta validade de "imagens pedagógicas" de Cristo me levaram a reler o capítulo 11 do primeiro livro das Institutas. Trata-se dum capítulo em que se apresenta com especial clareza não apenas a sabedoria de Calvino, mas também a sua (nem sempre tão) fina ironia.

A certa altura, ao discutir o argumento de que imagens são "livros para indoutos", Calvino sai com esta tirada cavalar: "Há uma simples razão pela qual aqueles que têm igrejas a seu encargo entregam o ofício do ensino aos ídolos: é porque eles próprios são burros".

A grosseria talvez seja desnecessária, mas o argumento que a precede é bíblico e valioso: tudo o que as imagens nos ensinam a respeito de Deus é necessariamente "fútil e falso". O madeiro é "ensino de vaidade", diz Jeremias (10.8), e a imagem de fundição apenas "ensina mentira", diz Habacuque (2.18). Fazer representações visíveis de Deus é absurdo não apenas porque "imagens corpóreas são indignas da majestade divina", mas também porque elas "diminuem o temor reverente e encorajam o erro".

Calvino também refuta o argumento (tão repetido nas últimas discussões) de que as imagens podem ser usadas apenas para "representar Deus" e não para adoração. Na verdade, ele toma o argumento de Agostinho, que, ao comentar o Salmo 113, condena também esse tipo "mais refinado" de religiosidade como sendo idólatra.

Como se estivesse lendo as discussões aqui no Facebook, Calvino também rebate quem o acusava de ser supersticioso ao ponto de rejeitar todo tipo de imagens, reconhecendo que pinturas e esculturas são "dons de Deus" para serem usados de modo digno e puro. Mas ele insiste: "pensamos ser ilícito dar uma forma visível a Deus, porque o próprio Deus o proibiu e porque isso não pode ser feito sem, em alguma medida, manchar a sua glória". Essa proibição divina se acha não apenas no Antigo Testamento, mas também no Novo, e Calvino faz uma interessante inferência de 1João 5.21, no qual o apóstolo nos exorta a nos acautelarmos não apenas do culto aos ídolos, mas dos ídolos mesmos.

É claro que ninguém é obrigado a concordar com as conclusões de Calvino, ao menos pelo simples fato de virem da boca do reformador. Mas é um tanto curioso que os argumentos sejam os mesmos rebatidos há quase cinco séculos e, apesar disso, não tenhamos visto muita interação com eles. O que me faz concluir algo sobre minha própria postura estes dias: se os que discordam não levam a sério o que escreveram os maiores defensores dessa posição, por que levariam a sério um verme como eu?

Como diria o Pernalonga... Isso é tudo, pessoal!



Presbítero da Igreja Presbiteriana da Aliança em Recife/PE. Bacharel e Mestrando em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco. Comentarista do Site Política Reformada.


Nenhum comentário: