O ADEUS A CORNELIS TRIMP - adaptado do texto em Inglês de NelsonKlosterman


por Lucio Manoel 

LEUSDEN - Nesta sexta-feira, 9 de março de 2012, Cornelis (Kees) TRIMP faleceu com a idade de 86 anos. Ele tinha se aposentado como professor de Estudos Ministeriais (ambtelijke vakken) da Universidade Teológica das Igrejas Reformadas nos Países Baixos (Universidade Livre), em Kampen. Ele tinha começado os trabalhos nesta universidade após a divisão dentro das Igrejas Reformadas Libertadas no final da década de 1960. A sua contribuição ajudou, por um lado, a definir o sentido da consolidação dentro da sua denominação após a separação, e por outro lado, para cultivar uma orientação mais exteriormente focada na sua denominação.

Cornelis TRIMP nasceu em 18 de Janeiro de 1926, em Amsterdã. Ele obteve a sua formação ministerial no Colégio Teológico em Kampen. Em 11 de fevereiro 1951, foi ordenado e instalado em sua primeira congregação na aldeia Frisian de Twijzel. Depois disso, serviu nas igrejas em Middelburg (1955), Voorburg (1961), e Groningen Norte (1967).

Em 29 de Junho de 1961, o professor TRIMP obteve seu doutorado na Faculdade de Teologia de Kampen, com a dissertação intitulada: "Om de oeconomie van het welbehagen. Een van de analisar idee der 'Heilsgeschichte' em van de 'Kirchliche Dogmatik' K. Barth "("relacionadas à economia da boa vontade de Deus. Uma Análise da idéia de "história da salvação" na "Igreja dogmática" de K. Barth ").

Em 1970, pouco depois da divisão nas Igrejas Reformadas Libertadas, o que levou à formação do Nederlands Gereformeerde Kerken (literalmente, Igrejas Reformadas dos Países Baixos para não ser confundido com a denominação norte-americana de mesmo nome), TRIMP foi apontado como professor do Colégio Teológico em Kampen. Ele cumpriu essa função até 1 de Janeiro de 1993. A área de ensino da nova faculdade abrangeu os temas ministeriais da homilética (pregação), catequese (ensino), igreja (culto litúrgico), poimênica (cuidado pastoral), e diaconato (ministério de misericórdia) .

Ilustrativos das relações existentes quando a nova faculdade começou foi a impossibilidade de utilizar o edifício da igreja em frente à universidade para sua inauguração. Aquele prédio passou a ser propriedade do povo reformado da Holanda. Por essa razão, a faculdade usou a igreja da Congregação Reformada (Gereformeerde Gemeente, o equivalente a Denominação Reformada Americana do Norte da Holanda), onde TRIMP deu seu discurso inaugural, intitulado "O mandado para o ministério da reconciliação."

Seu envolvimento, de 1956-1992, com a revista da igreja De Reformatie garantiu que a voz do professor TRIMP ganhasse peso. Ele desempenhou um papel ativo em manter os membros juntos na igreja após a separação. Ele desaprovou o chamado Breve Abertura (Open Letter) que se formou por ocasião da divisão na igreja, e defendeu as decisões sinodais referentes à Breve Abertura. Por outro lado, ele lamentou mais tarde o curso dos acontecimentos durante os anos 1960. Ao fazê-lo, no entanto, ele não se distanciou do que tinha fluído de sua pena afiada durante esse período.

Várias publicações apareceram sob a autoria do Professor TRIMP, como Ministerium: Uma Introdução à Doutrina Reformacional do ofício: palavra por escrito (1982). Reflexão Teológica sobre a Autoridade da Bíblia (2002, com ensaios de AL Th. De Bruine, JJT Doedens e B. Kamphuis), e a obra mais conhecida Som e Ressonância: Através da pregação de Fé-Experiência (1989). Neste último trabalho, ele discordou igualmente do racionalismo na pregação e do experimentalismo da Segunda Reforma Holandesa.

Professor TRIMP viu o balanço do pêndulo ao longo da história da igreja entre pregação subjetiva e pregação objetiva. Cada um contém um perigo de excesso, observou. Professor TRIMP viu como um benefício da Libertação (a divisão da igreja na década de 1940) o que alguém como Benne Holwerda classificou os dois tipos de pregação como incorretas. "O que está envolvido principalmente não é nem o engajamento subjetivo do coração, nem a declaração objetiva de doutrina, mas o endereço do Deus que fala na aliança", escreveu o professor TRIMP em Som e Ressonância. Isso aponta para a salvação fora de nós, em Cristo, reivindicou TRIMP. Portanto, ele pediu "uma pregação farta de Cristo".

Professor TRIMP resistiu à linha teológica do principal líder da divisão da igreja de 1940, conhecida como a Libertação, professor Klass Schilder, que alegou que há uma promessa incondicional de salvação para os batizados que são eleitos, e uma oferta universal de graça para os outros que são batizados. Promessa e convênio são equivalentes e chama-nos à fé, afirmou professor TRIMP. A fé não é sem sentimento, pois envolve toda a pessoa. O som da Palavra de Deus não vai saltar fora como o ruído de um eco, mas vai ressoar dentro do coração humano, escreveu o professor em Som e Ressonância.

No mesmo livro, o professor TRIMP implorou para entrar em relação com outras igrejas, como a Christelijk Gereformeerde Kerken (literalmente, Igrejas Cristãs Reformadas, equivalentes às Igrejas Reformadas Livres na América do Norte, e não deve ser confundida com a Igreja Cristã Reformada na América do Norte). Dentro de um clima onde havia mais espaço para a fé-experiência, o professor viu possibilidades para efetuar mais unidade entre as Igrejas Reformadas Libertadas e as Igrejas Reformadas Cristãs.

Além disso, durante a década de 1990, ele se expressou positivamente a respeito da renovação litúrgica. Já em 1983 ele havia refletido sobre este assunto em A Igreja e sua liturgia. Nesse livro ele pediu, entre outras coisas, que a congregação cantasse o Amém, depois do sermão.

O professor valorizou a uniformidade na adoração, mas não tinha nenhuma objeção contra adaptações, desde que elas não estivessem em conflito com a reverência durante a adoração da congregação. 

Professor TRIMP será enterrado na quinta-feira em Leusden, onde residia.

(Este artigo foi publicado originalmente em Holandês em Reformatorisch Dagblad em 12-03-2012. Traduzido para o Inglês por Nelson D. Kloosterman e adaptado para o Português por Lucio Mauro).

Do Inglês: https://cosmiceye.wordpress.com/2012/03/12/in-memoriam-dr-cornelis-trimp-1926-2012/

No Brasil, Trimp só tem se tornado conhecido a bem pouco tempo, com a Publicação do seu livro Cuidando da Igreja: o ofício de presbítero - um manual comentado (publicado pela CLIREF Comissão de Literatura Reformada, uma comissão das Igrejas Reformadas do Brasil, 2015). 

O livro em Português pode ser encontrado aqui: https://www.facebook.com/livrosreformados/posts/1690342214518133

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Série: O que a Bíblia diz (VERSÍCULOS SOBRE A ELEIÇÃO E PREDESTINAÇÃO)

SÉRIE: ELEMENTOS DO CULTO. A SAUDAÇÃO

OS DEVERES DOS PRESBÍTEROS, DIÁCONOS E DA CONGREGAÇÃO