domingo, 3 de outubro de 2010

GOOGLE LIVRO. Livros de graça na internet.

Com o crescimento da tecnologia, do mundo virtual, veio também o crescimento da pirataria.
Livros religiosos
CDs, DVDs, chegando nos livros por meio dos livros eletrônicos (e-book) que são ofertados por enumerável sites na internet sem a permissão do autor ou editora.

Muitos cristãos participam deste crime atraídos pela facilidade de ler livros que dificilmente conseguiria comprar. No entanto, na maioria dos casos, estas ofertas de livros eletrônicos eram velada violação dos direitos autorais e crime de pirataria. Muitos evangélicos pragmáticos não se importam com isso, mas uma parcela de cristãos piedosos se privam de tais benefícios para não incorrer em quebra do oitavo mandamento "não furtarás".

A boa notícia é que agora a empresa GOOGLE está oferecendo livros gratuitos que podem ser lidos a partir da internet com a garantia de todos os direitos autorais preservados. Isso foi possível graças a um acordo feito entre a GOOGLE e as principais editoras, inclusive cristãs, para disponibilizar vários de seus exemplares na integra aos internautas.

Criando uma conta na GOOGLE, o internauta terá acesso a milhares de livros, podendo criar sua própria biblioteca, classificar os livros, contribuir com resenhas e resumos, além de outros recursos.

Isso é uma grande bênção para o povo de Deus.
Conheça o serviço e se beneficie da leitura de ótimos livros.
Algumas sugestões:

HEBRAICO BÍBLICO - UMA GRAMÁTICA INTRODUTÓRIA


Dicionário hebraico-português & aramaico-português



Acesse GOOGLE LIVROS: http://books.google.com.br/

Confira também:

Lei que regula os direitos autorais e pirataria: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9610.htm

Estudo sobre o assunto:

por Lucio Mauro

ELEIÇÃO GOVERNAMENTAL: Os Cristãos e as suas Dúvidas

Chegamos ao dia do Pleito e muitos Cristãos ainda persistem em suas dúvidas sobre em quem devem votar nestas eleições. Alguns que já tinham escolhidos seus candidatos, sentiram-se pressionado pela enxurrada de informações que abarrotaram suas caixas de e-mails, encheram seus ouvidos e olhos através dos noticiários de rádios e televisão, e voltaram à dúvida: em quem votar!

Livros religiosos
Os três candidatos majoritários, na caminhada à presidência da nação em 2010, revezam-se nas contradições sobre os assuntos polêmicos. As igrejas também não se entendem sobre qual candidato se aproxima mais daquilo que deve ser os objetivos dos cristãos ao escolherem os representantes do governo civil, quais são: administração pública, punição dos faltosos, promoção do Reino de Deus e Sua Glória.

Estes princípios podemos extrair de documentos históricos desde a Grande Reforma do século XVI como a Confissão de Fé, conhecida como confissão de Fé Belga, como vemos abaixo:

"Cremos que nosso bom Deus, por causa da perversidade do gênero humano, constituiu reis, governos e autoridades [1]. Ele quer que o mundo seja governado por leis e códigos [2], para que a indisciplina dos homens seja contida e tudo ocorra entre eles em boa ordem [3]. Para este fim Ele forneceu às autoridades a espada para castigar os maus e proteger os bons (Romanos 13:4).

Seu ofício não é apenas cuidar da ordem pública e zelar por ela, mas também proteger o santo ministério da igreja a fim de * promover o reino de Jesus Cristo e a pregação da Palavra do Evangelho em todo lugar [4], para que Deus seja honrado e servido por todos, como Ele ordena na sua Palavra." (Confissão Belga artigo 36, primeiro e segundo parágrafo)

Agora é orar para que o candidato eleito, seja em primeiro ou em segundo turno, possa estar em sintonia com estes anseios. Se o cristão votou nele, então, aumenta sua responsabilidade e necessidade de seguir o ensino do apóstolo Paulo em 1 Timóteo 2:

Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;
Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador,
Por Lucio Mauro