A BONDADE DE DEUS

A Bondade de Deus
Leitura Bíblica: Salmo 36

Pastor Elissandro Rabelo
Igreja Reformada em Maragogi
Autorizado

Introdução: A bondade de Deus é a sua disposição favorável para com toda a sua criação. Deus é bom, ou seja, ele é inclinado a tratar bem e generosamente as suas criaturas. Ele tem prazer nas suas obras e as beneficia. Sua bondade independe de qualquer disposição de suas criaturas. Tudo que Deus criou é bom (I Tm. 4.4) e ele não pode deixar de fazer o bem (At.10.38), pois a bondade é parte essencial da sua natureza (Sl. 119.68; 145.7; 107.8,15 21,31). Os homens podem ser bons por alguns momentos, pois não têm o hábito de bondade, mas a bondade de Deus dura para sempre (Sl. 52.1). Deus não precisava criar o mundo, mas ele o criou para manifestar nele a sua bondade (Gn. 1.31).

Bondade para com as criaturas em geral: A bondade de Deus direcionada aos homens e animais evidencia-se na preservação de todos eles (Sl. 36.6). Os animais compartilham da bondade de Deus (Sl. 145. 15-17, 8). Deus é misericordioso com a sua criação que se encontra sob os efeitos da queda (Sl. 145.8). Ele olha com bondade para os animais e supre as suas necessidades (Jó 38.41; Mt. 6.26; Sl. 104).

Bondade para com os homens: Juntamente com os animais, os homens são objetos da bondade de Deus (Sl. 36.7,8). A bondade de Deus para com os homens não possui unicamente um caráter salvador. As suas bondades incluem o sustento, a preservação e bênçãos temporais de toda sorte (Mt. 5.45). Deus concede bênçãos de caráter emocional (alegria - At.14.17). Tanto os ímpios quanto os crentes são objetos da bondade de Deus. Porém, somente os crentes reconhecem, apreciam e agradecem as bênçãos de Deus. Alguns exemplos da manifestação da bondade de Deus na criação: deleite das suas criaturas – comida agradável ao paladar; perfume das flores, canto dos pássaros, a beleza do matrimônio, etc. “A terra está cheia da bondade do SENHOR” (Sl. 33.5).

Lições sobre a Bondade de Deus:

Precisamos viver na dependência de Deus: Em Mateus 6.25-34 Jesus nos ensinou a confiar em Deus, Nosso Pai e esperar dele tudo o que precisamos. Se Deus tem cuidado da criação inanimada, como não terá dos seres humanos feitos à sua imagem e semelhança? (6.26, 30). Devemos viver na dependência do sustento que vem da bondade divina. Se Deus cuida das aves e das plantas, muito mais cuidará dos seus filhos. Por isso, não devemos andar ansiosos (31, 34).

Precisamos aprender a pensar como Deus pensa: Em Mateus 6.19-21, entendemos que os seres humanos podem pensar terrenamente ou celestialmente. Eles podem pensar com os olhos deste mundo ou com os pensamentos voltados para a ética de Deus. Podem pensar somente nos tesouros desta terra ou do céu. Isso não quer dizer que não devamos pensar nas coisas deste mundo, mas a nossa atenção não deve estar primariamente nas realidades que são transitórias. Nossa vida não se limita a esta terra. Precisamos investir naquilo que tem valor permanente e é puro. A benção de Deus para conosco vai além das coisas básicas que necessitamos nesta vida. Ele nos abençoa com bênçãos nas regiões celestiais em Cristo (salvação, vida eterna, perdão). Tenhamos unicamente a preocupação de buscar as coisas do reino bondoso de Deus que duram para sempre, já que outras condições ele promete que nos serão acrescentadas (Mt. 6.33).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Série: O que a Bíblia diz (VERSÍCULOS SOBRE A ELEIÇÃO E PREDESTINAÇÃO)

SÉRIE: ELEMENTOS DO CULTO. A SAUDAÇÃO

OS DEVERES DOS PRESBÍTEROS, DIÁCONOS E DA CONGREGAÇÃO