quinta-feira, 1 de abril de 2010

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO CATECISMO DE HEIDELBERG

Introdução Ao Estudo do Catecismo:
Rev. Adriano Gama

O Senhor Jesus Cristo disse aos Seus discípulos em Mt 12.8: “Digo-vos ainda: todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do Homem o confessará diante dos anjos de Deus;”.


O Apóstolo Paulo, inspirando pelo Espírito Santo, diz em Romanos 10.10: “Porque com o coração se crê para a justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.”

Estas partes da Sagrada Escritura são bases que levam a Igreja Cristã a confessar o Ensino da Palavra de Deus.

A Igreja Cristã há séculos confesssa diante dos homens o que ela crê. E isso ela faz, especial e principalmente, através de documentos que chamamos de Credos e Confissões.

O Catecismo de Heidelberg é uma das Confissões de Fé da Igreja Cristã depois da Reforma que ocorreu no Século XVI. Ele foi escrito no ano de 1563 a pedido do Príncipe Frederico III (1516-1576), que por sua fidelidade a Deus foi conhecido como o Piedoso.

O Princípe Frederico III governou entre 1559 a 1576 o Palatinado, que era uma das províncias da Antiga Alemanhã. A sede do governo era a cidade de Heidelberg. Por isso, o Catecismo recebeu esse nome.

O Príncipe Frederico III encarreu dois teólogos piedosos da tarefa de dirigirem a produção do Catecismo de Heidelberg. Eles eram Zacarias Ursino (1534-1583) e Gaspar Oleviano (1536-1587).

O alvo do Príncipe Frederico III foi que o Catecismo servisse para a instrução dos jovens e para orientação de pastores e de professores.

Os autores do Catecismo de Heidelberg queriam que ele fosse “um eco da Escritura”. Este desejo é evidenciado na grande quantidade de passagens bíblicas citadas dentro do texto do Catecismo e nas bases bíblicas expostas no rodapé das respostas.

Também parece que esse desejo conduziu os autores do Catecismo de Heidelberg a apresentar o documento na forma de um catecismo (perguntas e respostas). As Igrejas Cristãs além de Catecismos podem ter documentos que chamamos de Confissões, por exemplo: As Igrejas Reformadas tem Confissão Belga, os Presbiterianos tem a Confissão de Westminster.

A palavra “catecismo” vem de uma palavra grega (katecheo). Esta palavra tem o sentido de “soar em direção a”, “falar a alguém com o desejo de receber uma resposta de volta como um eco”.

Na maioria das bíblias em língua portuguesa a palavra “katecheo” normalmente é traduzida como “informar” (Lc. 1.4; At 21.21,24), “instruir”, “ensinar” (At 18.25; Rm 2.18; 1 Co 14.19).

O Apóstolo Paulo usou essa palavra em Gl 6.6. As palavras “catequizado” e “catequizador” estão nesse texto, porém, são traduzidas para o Português como “aqueles que estão sendo instruídos” e “aquele que o instrui”.

Estes detalhes da palavra “katecheo” mostram que o sentimento, o conteúdo e a forma do Catecismo de Heidelberg era para que fosse um “eco da Escritura”. Um eco daquilo que o Espírito Santo revela na Escritura sobre a Salvação que Deus em Cristo opera no homem caído. Esse alvo foi atingido.

O Catecismo de Heidelberg é resumo sistemático e prático do plano de salvação revelado na Escritura.

Este resumo é apresentado em três grandes divisões, com 52 subdivisões denominadas como Dia do Senhor e constituídas de 129 perguntas e respostas.

Essas três grandes divisões do Catecismo tem os seguintes títulos:
Nossos Pecados e Miséria (Dia do Senhor 2-4), Nossa Salvação (Dia do Senhor 5-31) e Nossa Gratidão (Dia do Senhor 32-52). Estas divisões seguem a mesma estrutura da Carta do Apóstolo Paulo Aos Romanos que são as seguintes:
1. Nosso Pecado e Miséria (Rm 1-3:20);
2. Nossa Salvação (Rm 3.21-11.36);
3. Nossa Gratidão (Rm 12-16);

Conclusão:

Quando uma igreja adota o Catecismo de Heidelberg ela quer garantir que o povo de Deus seja instruído (catequizado) de modo sistemático na Doutrina Bíblica da Salvação durante todo o ano. O uso do Catecismo de Heidelberg enriquece a Igreja de Cristo com a doutrina da Palavra de Deus e a protege de heresias (ensino estranho à Escritura).

No nosso amado país temos muita necessidade de instrução sobre a Obra Salvadora de Cristo e as conseqüências dessa obra em nossas vidas.

O Brasil está cheio de ensino equivocado e herético sobre a Miséria natural do homem em Adão, sobre como podemos ser salvos dessa miséria e da ira de Deus e como podemos viver em santidade de modo grato a Deus pela salvação graciosa em Cristo.

O ensino do Catecismo será mais um meio para manter a igreja bem instruída sobre essas doutrinas maravilhosas da Palavra de Deus, para proteger a igreja das heresias e retirar muitos do engano. O Catecismo também pode até ser usado como instrumento na evangelização daqueles que estão perdidos em seus pecados. A História tem mostrado a eficácia do uso do Catecismo de Heidelberg nessas áreas.

Portanto, devemos orar para que Deus continue a usar esse bom instrumento para a Glória de Cristo e para o bem de Sua amada Noiva, no Brasil e no mundo.

Perguntas para firmar o ensino:

1. Quais as bases bíblicas para a Igreja Cristã ter confissões de Fé?
2. Qual o ano em que foi escrito o Catecismo?
3. Onde ele foi escrito, em que ano e qual o motivo dele ser chamado de Heidelberg?
4. Como se chamavam os autores do Catecismo?
5. Qual o alvo do Principe Frederico III e o desejo dos autores quando pensaram em fazer um Catecismo para a Igreja?
6. A palavra “catecismo” vem de onde? Cite alguns textos da Escritura onde ela se encontra.
7. Como o Catecismo de Heidelberg se divide?
8. Qual livro da Escritura tem a mesma divisão do Catecismo?
9. Qual a importância de usarmos o Catecismo no Brasil?
10. Qual a importância de Confessarmos a Fé Cristã? (resposta pessoal)

Nenhum comentário: