quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Trazendo o Evangelho aos Filhos da Aliança - Parte 2

Trazendo o Evangelho aos Filhos da Aliança-Parte 2

TRAZENDO O EVANGELHO AOS FILHOS DA ALIANÇA

Joel Beek

Culto doméstico

Como Abraão, amorosa, mas firmemente, comandai vossas casas na adoração a Deus (Gn.18:19). A exemplo de Josué sejais determinados a servir e adorar a Deus diariamente em vossas famílias (Josué 24:15). Como cabeça da família, reuni vossas famílias pelo menos uma vez por dia para a leitura das Escrituras, instrução bíblica, oração, e cânticos de louvor. Eis algumas sugestões sobre como implementar esses quatro aspectos da adoração em família.


a) Leitura das Escrituras.
Primeiro, ter em plano. Por exemplo, ler 10 a 20 versículos do Antigo Testamento de manhã e do Novo Testamento à tarde. Ou ler os Salmos e porções biográficas. Ou ler os milagres e parábolas de Cristo. Seja qual for o plano que tenhais, assegureis que a bíblia seja lida por inteiro num período de tempo de um a dois anos. Dai a bíblia inteira a vossas crianças, mesmo em tenra idade.
Segundo, considerar as ocasiões especiais.
Em manhãs de domingo podeis ler Salmos 48, 63, 84, 92, 118, ou João 20. Em um dia sabático,quando a Santa Ceia é administrada, podeis ler Salmos 22, Isaías 53, Mateus 26, ou João 6. Ou, se preferirdes, textos apropriados para ocasiões especiais. Quando for para empreenderdes uma viagem, Salmos 91 e 121 juntos serão apropriados.
Terceiro, envolver a família. Que cada um que saiba ler tenha uma Bíblia a sua frente. Como cabeça da família, designai também alguns trechos para serem lidos por crianças. Ensinai-lhes a ler reverentemente, vagarosamente, e com expressão. Quando necessário, fornecei explicações breves, antes, durante e depois da leitura.


b) Instrução Bíblica.
Quando ensinardes, primai pela pureza de doutrina (Tito 2:7). Não ponhais de lado a precisão doutrinária mesmo quando estiverdes ensinando crianças novas. Tende em mira a simplicidade, solidez e integridade da doutrina.
Enfatizai o básico. Ensinai a vossas crianças os Dez Mandamentos, a Oração Dominical e o credo dos Apóstolos, preparando-as para instrução mais avançada. Repeti-os em voz alta periodicamente em família, durante vosso culto doméstico. Ou utilizai livros que vos auxiliem, tais como exposições bíblicas simples e diretas (Pensamentos Expositivos Sobre o Evangelho de J. C. Ryle, volumes 7), Histórias bíblicas (Van Dam, Mackenzie, Vos, Vreugdenhil), devocionais diárias (Hawker, Spurgeon, Jay,Mason, Gurnall, M' Cheyne), ou histórias sobre Deus agindo na igreja (construindo sobre a rocha, volumes 4). Sejai claros e sinceros em conteúdo e estilo. Encorajai as crianças a fazerem perguntas. De vossa parte, dirigí-lhes perguntas apropriadas à suas idades. Tende sempre à mão um ou dois bons comentários bíblicos, como os de João Calvino, Mathew Henry, Mathew Poole, e John Gill, que auxiliem a toda a família no entendimento de vários textos.
Seja relevantes e práticos quanto às explicações, trazendo à alma o valor experimental das verdades ensinadas. Sem receios e com simplicidade, compartilhai vossas próprias experiências.
Seja afável em vosso modo de falar. O tom de cordialidade encontrado no livro de provérbios sirva de exemplo para nós: "Expressões como filho meu" demonstram afeto, ternura, amor, interesse e urgência pulsando do coração e das exortações de um pai.
Descei ao mundo de vossos filhos. Que vossos conceitos sejam concretos, ao invés de abstratos. Dos sermões que ouvis, fazei um resumo explicativo para eles. Tanto quanto possível, relacionai instrução bíblica com eventos correntes na família, sociedade e nação.
Exigi total atenção de vossos filhos. As verdades divinas demandam o ouvir. Tendes verdades de vida e morte para comunicar. Levai a efeito Provérbios 4:1 "ouvi, filhos, a instrução do pai, e estai atentos para conhecerdes a prudência". Ocasiões haverá em que tereis de dizer e reforçar "assenta-te meu filho, e olha para mim enquanto falo. É sobre Deus e sua palavra que estamos tratando, e Ele merece ser ouvido".
Orações. Essas devem ser simples, sem, contudo serem superficiais; naturais, e, contudo solenes; diretas, e, contudo variadas. Buscai a Deus como família, em adoração e dependência. Invocai-o propriamente, mencionando Seu Nome, e talvez um ou dois de seus atributos. Confessai os pecados da família, pedindo perdão por cada transgressão do dia. Suplicai por misericórdias eternas, espirituais e temporais. Intercedei pelos amigos da família. Oferecei ações de graças por favores já recebidos. Conclui bendizendo a Deus pelo que Ele é em Si mesmo, e pelo que Ele tem feito por vossa família. Expressai o desejo de que Sua glória permaneça para sempre. E finalmente, encerrai com rogos de perdão por amor de seu filho.


c) Cânticos de louvor.
Apresentai a vossas crianças os cânticos de Sião. Os Salmos falam ao coração de cada crente, e cobrem toda a extensão da experiência cristã. Adquira exemplares do Saltério para cada membro da família. Frisai as canções que enfatizem as verdades centrais do Evangelho, e que sejam ricas e próprias para a devoção, instrução e admoestação. Para crianças menores, começai com uma estrofe ou duas dos textos mais simples tais como os números 7, 10, 24, 49, 53, 140, 162, 203, 235, 246, 268, 281, 322, 345, 370, 394, 408, e 431. Posteriormente, ensinai-os as canções que focalizam o problema do pecado tais como os números, 83, 110, 141-144, 217, e 362, e as canções que estão repletas de pessoa e da obra de Cristo, tais como os números 3, 28, 47, 125, 183, 200, 303, 318, 368, 399, e 426. Fazei uso freqüente das doxologias, tais como os números 196, 197, 315, 413, e 420-5. Cantai as canções favoritas da família, mas introduzi novas canções da tempos em tempos. Reforçai o que está sendo ensinado na escola ou classe de catecismo, fazendo uso das seleções do Saltério designadas para exercício de memória. Encorajai bons hábitos de canto, tais como postura, o uso apropriado da voz, e dicção clara. Lembrai a vossas crianças que elas estão cantando trecho da palavra de Deus, e que isso deve ser feito com reverência e cuidado. Orai com eles para que Deus vos conceda a graça de cantarem ao Senhor como Ele ordena em Sua palavra (Cl 3:16). Juntos, meditai nas palavras que cantais. Que o vosso culto doméstico seja regular e sincero. Como diz Richard Cecil, ''Que o culto doméstico seja breve, de sabor agradável, simples, terno, celestial". Deus demanda tal adoração em família, o Senhor é digno dela, a consciência a aprova, e por meio dela as crianças são beneficiadas. Algumas razões específicas para a adoração em família são:
O bem estar eterno de vossas esposas, vossos filhos, e vossas próprias almas. A satisfação de uma boa consciência. Uma poderosa ferramenta para assistir-vos na criação de vossos filhos. A brevidade de vida. O amor pela glória de Deus, e o bem estar da igreja.
Ouvi o conselho de J.W.Alexander: "Juntamente com vossas famílias, voai para o trono da graça. Rogai a Deus para que abençoe vossos tímidos esforços, e salve vossas crianças. Advogai com Ele, para que vossos filhos da aliança sejam recebidos em Seus eternos braços".

Este Artigo foi publicado em Português pela revista Os Puritanos, Nº 1 de 2005 - Os Hinos do Povo de Deus.

Nenhum comentário: